Compatilhar

sexta-feira, 1 de março de 2013

JOÃO DAS ÉGUAS, OS POBRES E A PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF.

Quando era criança minha avó contava uma pequena estória sobre a pessoa que ajuda os pobres e depois alega.

Dizia ela:

João das Éguas morreu e chegando no céu se apresentou para São Pedro.

São Pedro perguntou seu nome, ele disse: sou João das Éguas. Pedro procurou, procurou o nome de João das Éguas nos registros do Céu, mas não achou.

Informado de que seu nome não constava no céu, João das Éguas começou a fazer alegações, dizendo:

- Quando fui prefeito ajudei muitos pobres distribuindo alimentos.

- Depois continuei ajudava um ali, outro acolá dando 50, 100, 200 dinheiros.

- Agora, como meu nome não está no céu se eu fui tão bom para os pobres?

Nisto, São Pedro chamou o Anjo Gabriel e decretou:

- Devolva tudo que deu João das Éguas e mande ele para o inferno.

À semelhança de João das Éguas, a Presidenta Dilma Rousseff alardeia aos quatro cantos um suposto combate à miséria como se fosse um favor, uma atitude de fé ou piedade cristã.




É sua obrigação, é seu dever e de seus subordinados, para reparar, pelo menos parte das omissões do seu antecessor Lula que mergulhou na proteção do esquema do mensalão e esqueceu os brasileiros.

Noticia o R7 que os Estados do Maranhão, Piauí e Alagoas têm os maiores percentuais de pessoas em situação de extrema pobreza. É o que informou nesta terça-feira (17) o presidente do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), Eduardo Nunes, no programa de rádio Brasil em Pauta, em parceria com a EBC Serviços.

O Maranhão apresenta o maior percentual, mais de 24% da população do Estado ganha até R$ 70 por mês, conforme linha da pobreza extrema estipulada pelo governo federal. No Piauí, o percentual é superior a 21% e, em Alagoas, 20,4%. Já a Bahia tem o maior número absoluto de miseráveis, mais de 2,4 milhões de pessoas.

Em todo o Brasil, 16,2 milhões de brasileiros encontram-se na miséria, o equivalente a 8,5 % da população do país. Quase 60% deles estão no Nordeste (cerca de 9,6 milhões). A maioria é preta ou parda e tem até 19 anos de idade. Esse será o público do Plano Brasil sem Miséria, que vai ser lançada pela presidente Dilma Rousseff, que pretende acabar com a extrema pobreza até 2014.

Para o presidente do IBGE, encontrar pessoas em extrema pobreza no Brasil é contraditório.

- Em um país tão rico como o Brasil ainda podemos encontrar 8% da população vivendo em extrema pobreza.

Com mais ações e menos propaganda, talvez a presidenta consiga cumprir com sua obrigação, sob pena de ser mandada para os quintos!.

Nenhum comentário:

Postar um comentário