Compatilhar

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

SEITA É CONDENADA PELO STJ A DEVOLVER MAIS DE R$ 350.000,00 A UMA FIEL LUDIBRIADA.

Edir Macedo tem fortuna pessoas que chega
a quase 1 bilhão de dolares segundo
a Revista Forbes.
A seita conhecida por Igreja Universal do Reino de Deus vai ter que devolver a uma ex-fiel R$ 74 mil, que corrigidos darão mais de R$ 350.000,00.

POR QUE SEITA? A Universal é uma seita pseudo-cristã. Seus ensinos parecem serem baseados na Bíblia, mas pratica desvios doutrinários e interpretação proposital da Bíblia a fim de obter vantagem financeira junto aos fiéis, inventado métodos estranhos ao cristianismo. 

COMO FOI O GOLPE CONTRA A FIEL?

A fiel trabalhava como contadora. Em 2003, recebeu uma grande quantia em pagamento de um trabalho. Um pastor da Igreja Universal pressionou-a, então, para que fizesse um sacrifício “em favor de Deus”. A insistência do pastor incluiu ligações e visitas à residência da crente, que estava em processo de separação judicial, “atordoada e frágil”. Diante da pressão, fez a doação de mais de R$ 74 mil, em duas parcelas. Depois disso, o pastor teria sumido sem dar satisfações. A IURD afirmava não saber do ocorrido nem ter como ajudá-la.

O PROCESSO

Em 2010, a contadora ajuizou, na primeira instância, ação para declarar nula a doação. Ela alegou que perdeu o emprego, passou a sofrer de depressão, e ficou em péssima situação financeira. De acordo com testemunhas, chegou até a passar fome.

 A DEFESA DA UNIVERSAL CHEGA A SER UM DEBOCHE.

A seita defendeu-se, sob o argumento de que a doação tinha sido um ato de fé, citando a passagem da viúva pobre, segundo a qual seria muito mais significativo o ato de fé de quem faz uma doação em prejuízo de seu próprio sustento.

A justiça considerou que as doações tinham comprometido o sustento da crente, e que o ato violava o artigo 548 do Código Civil, que afirma ser nula a doação de bens sem reserva de parte ou de renda suficiente para a subsistência do doador.

No processo está registrado que a partir das doações que realizou em favor da Universal, a condição de profissional produtiva, possuidora de renda e bens, passou ao estado de desempregada, endividada e destituída da propriedade de bem imóvel”.

No recurso ao STJ, negado pelo ministro-relator Sidnei Beneti, a Igreja Universal pretendia demonstrar que o ato da contadora não constituía “doação universal”, já que ela tinha mantido um imóvel, carro e parte da renda obtida com o trabalho.

OUTRAS VÍTIMAS DA SEITA UNIVERSAL.

LÍVIA INÁCIA DE ANDRADE
- o Juizado Especial de Samambaia, Distrito Federal, anulou a doação feita pela dona de casa Lívia Inácia de Andrade. Mãe de uma criança portadora de necessidades especiais e vítima de violência doméstica, Lívia abandonou o marido depois que ele tentou matála.Desesperada, buscou ajuda na Igreja Universal. Torrou o único patrimônio, um Fiat Uno, na “fogueira santa” da Iurd, evento em que os fiéis se dispõem a se desfazer de tudo o que têm.

MARIA MOREIRA DE PINHO
- ex-fiel Maria Moreira de Pinho, outra vítima da “fogueira santa”, que conseguiu reaver na Justiça o direito a receber o valor de R$ 10 mil de um cheque doado à igreja. Acreditando que receberia a graça em dobro, ela vendeu dois imóveis e as duas máquinas de costura que usava para trabalhar, entregando à igreja R$ 106.353,11 .

GILMOSA FERREIRA DOS SANTOS 
- Outra que ganhou o direito de reaver a doação foi a viúva Gilmosa Ferreira dos Santos. Foi à Justiça após descobrir que a filha, Edilene Ferreira dos Santos, abalada pela morte do pai, doara o carro da mãe, um Golf 2005, à Universal. Arrependida, a jovem não conseguiu reaver o veículo. — Edilene começou a frequentar a igreja após a morte do pai. Doou os móveis de casa e depois o carro da mãe. Quando a viúva tentou reaver o carro, foi agredida e exposta à humilhação na igreja — disse o advogado Nilton Cardoso das Neves. O juiz da 7aVara Cível de Goiânia determinou que o veículo seja restituído e que sejam pagos valores referentes a lucros cessantes, depreciação e desgastes do carro, bem como reparação de R$ 10 mil por danos morais.

EDSON LUIZ DE MELO
Tramita na 9ª Vara Criminal da capital paulista o caso do porteiro aposentado Edson Luiz de Melo, de 45 anos, ex-fiel da IURD em Belo Horizonte, que ganhou da entidade um diploma de dizimista assinado por Jesus. Doava 15% do salário, além de ofertas. Até o cheque da venda de uma chácara (R$ 5.390) teria sido levado aos pastores. Edson foi interditado pela família, que entrou com uma ação de indenização na Justiça, avaliada pelo advogado Walter Soares Oliveira em R$ 30 mil. A igreja perdeu na primeira e segunda instâncias.

MARIDO E ESPOSA
- A 9ª Câmara Cível do TJRS (Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul) acaba de condenar a Igreja Universal do Reino de Deus a pagar indenização de R$ 20 mil por ter coagido dois fiéis a doarem parte de seus bens em troca de bênçãos. No 1º Grau, a Juíza Carmen Luiza Rosa Constante Barghouti condenou a ré a restituir os celulares e fax, dois aparelhos de ar-condicionado e uma impressora. Também determinou o pagamento de indenização por dano moral em R$ 20 mil.


As técnicas utilizadas pelas seitas da prosperidade para arrancar dinheiro dos fiéis beira à coação, (VEJA).

Nenhum comentário:

Postar um comentário