Compatilhar

domingo, 26 de janeiro de 2014

NÃO TEM FUTURO O PAÍS CUJO POVO DESTRÓI OS PRINCÍPIOS BÁSICOS DE UMA CIVILIZAÇÃO.

O Brasil, o país em que sua população não evoluiu, não desenvolveu a mentalidade. Ficou apenas centrado nas bundas, nos bacanais das sexta-feira, na autossugestão das seitas da prosperidade, na ilusão do carnaval e do futebol e nos Big Brothers da vida.

No país das banalizações o que impera é o anarquizar. Anarquizaram a família, os costumes, a fé, a ética, a moral e os princípios mais básicos de uma civilização.

Anarquizaram a cultura, a música, as artes, as ciências, a política e os direitos humanos.
Com essas banalizações, a nação brasileira está vagueando no tempo sem futuro, sem rumo, sem direção. O povo brasileiro só vive o presente, não projeta o futuro, não se preocupa pelos destinos do país, não são patriotas. Os que enxergam isso são uma minoria, mas sem capacidade de argumentos, partem para as vias de fato, destroem o pouco do legado deixado por seus pais.

A nação brasileira respira corrupção. O setor público está impregnado dela, no Poder Executivo, do agente de portaria ao presidente da nação; no Poder Judiciário, do serventuário a ministros das cortes superiores; no Poder Legislativo, a corrupção é generalizada. Enquanto isto, multiplica no país a quantidade de pessoas em estado de miséria.

Em todos esses poderes da nação brasileira, as exceções são muito raras. Os que combatem a corrução, o faz em vão. Esse câncer se tornou uma epidemia, está se transformando em cultura e logo, logo receberá um estandarte de símbolo do Brasil.

Políticos comprovadamente desonestos com a coisa pública são conduzidos ao poder numa boa pelos corrompidos eleitores brasileiros, que vende o voto por R$ 10, R$ 20 ou R$ 50, sem se importarem como seu país, com o futuro de nossos jovens e crianças.

Na direção do país e dos Estados estão verdadeiros picaretas, corruptos, criminosos, genocidas por omissão e desumanos.

Estamos mergulhados num caos que produzimos. Não interessas às autoridades que esse povo venha a ter consciência, pois eles seriam os primeiros a dançar. Para manter o controle e este estado de coisas, aceitamos e vivemos sob o faz de conta.

 - Fazemos de conta que combatemos o trafego de drogas, pois sabemos de onde vem e onde ela é distribuída;

 - Fazemos de conta que investimos e queremos educação, pois desvia-se os recursos, não se tem estrutura de ensino e a coisa é feita de forma desleixada;

 - fazemos de conta que estamos preocupado com a saúde da população, pois construímos muitos hospitais, mas desvia-se os recursos destinados ao tratamento das pessoas;

 - Fazemos de conta que queremos moralização, pois assistimos a imoralidade pública dos ladrões do erário e em seguida os contemplamos com novos mandatos em troca de alguns trocados ou promessas de fácil detecção da falsidade.

Trocando em miúdos, não estamos nem ai para o futuro de nosso país.

Não temos zelo, nem orgulho patriótico pela nação brasileira, porque não temos amor para com o nosso próprio povo.

Ultimamente, por não termos capacidade de avaliação das situações de violências que nós próprios damos causa, estamos defendendo abertamente um estado de barbárie, queremos matar nossos semelhantes na disputa por dias melhores, esquecendo da capacidade de reação daqueles que se veem diante da morte. Estão ai as reações nos presídios brasileiros, principalmente no Maranhão, onde se decidiu que matando presos ou deixando que eles se matem, diminuiria a população carcerária.

É UMA LÁSTIMA!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário