Compatilhar

quarta-feira, 25 de março de 2015

TJMA: UM TRIBUNAL QUE PRECISA SER PASSADO A LIMPO PARA GOZAR DE CONFIABILIDADE.

MAIS UMA DENÚNCIA GRAVE.

Alessandro Martins, que foi dono da empresa Euromar, encaminhou à Corregedora Nacional de Justiça, ministra Nancy Andrighi, uma denúncia grave, pedindo “socorro” acusando advogados, juízes e desembargadores de golpe contra seus bens.

Alessandro Martins cita nominalmente os juízes Nemias Carvalho, Abraão Linconln, Luis Carlos Nunes Freire e Luiz Gonzaga Almeida, além dos desembargadores Marcelino Chaves Everton, Raimundo Nonato Magalhães Melo e Paulo Sérgio Velten Pereira.

Cópias do material foram encaminhadas também para o Ministério Público e a sites nacionais, como Uol, Yahoo!, Terra e IG.

O denunciante revela: - "O filho do magistrado que penhorou o imóvel, o famoso Marcelo Bolota, veio me propor meio milhão de reais para indeferir a liminar [de penhora] E relatou que eu ainda estaria levando vantagem,pois a dupla de lobistas [Stênio Viana Melo e Fabiano de Cristo] haviam lhe prometido 10% dos R$ 22 milhões - diz o documento assinado por Alessandro Martins."
- O três primeiros denunciados ostentam patrimônio incompatível com o exercício do cargo, a ponto de um haver comprado da minha mão um Passat, marca VW, em espécie, por R$ 150 mil - diz o denunciante.

A denúncia de 14 páginas encaminhadas por Martins ao CNJ traz ainda alguns fatos sobre os desembargadores citados.

Agora digo eu: os comportamentos de muitos desembargadores da corte de justiça do Maranhão tem causado perplexidade. Nas rodas de causídicos (advogados), que não comungam, nem participam de esquemas, os cometários é de arrepiar todo tipo de cabelo. São comuns nos corredores do judiciário maranhense, conversas do tipo: 

- concessão de liminar para fulano custou tanto.

- Estão pedindo tantos mil para conceder liminar a favor de sicrano.

- A volta do prefeito tal custou muita grana. 

De fato, uma pequena olhada atenta em algumas decisões no TJMA, é fácil detectar fedor de esquemas que denegri os principios e o conceito de uma reta justiça.

A título de exemplo, cito o escandaloso caso de proteção de uma prefeita corrupta em Paço do Lumiar. Na época estava comprovados os crimes da prefeita, mas veja como se posicionou um desembargador do TJMA:

Des. Paulo Velten
“... os fatos noticiados na petição da Ação Civil são por demais graves”.
Olha a saída do desembargador para retornar pela 2ª vez a prefeita ao cargo: "Não há uma referência sequer a um ato concreto da prefeita voltado à destruição de provas ou a intimidação de testemunhas"

REVEJA AQUI!!
Tempos depois, a Polícia Federal instaura a operação parasitas, prende a prefeita e seus secretários, comprovando o desvio de 28 milhões dos cofres do município. 

MAIS DOIS ESQUEMAS QUE SE VER NO JUDICIÁRIO MARANHENSE:

1 - Distribuir várias ações idênticas para em seguida ficar com aquela ação que cair no juiz escolhido. Basta o CNJ verificar estes processo para desvendar o esquema.

2 - Esquema de Impedir juízes de julgar crimes via exceção de suspeição sem fatos, nem provas. Basta inventar que o juiz é suspeito. O TJMA, juntamente com a Corregedoria  de Justiça são coniventes com tal situação de impunidade.

Quem será que está por trás desses dois últimos esquemas na justiça do Maranhão?

Nenhum comentário:

Postar um comentário