Compatilhar

domingo, 20 de setembro de 2015

TIRANDO AS MÁSCARAS DE FLÁVIO DINO E DE SEU CAMARADA MARCIO JERRY.

O Governador Flávio Dino e seu camarada Marcio Jerry tem simulado suposta moral para tentar desqualificar e impedir críticas às suas reais intenções. Suas ações beiram a intenção de destruir a quem julgar ser inimigo. Escondem, mas no intimo são terríveis intolerantes e se julgam donos da verdade. Antes de perder a vergonha e no tempo de sua luta verdeira, Lula definiu como age e pensa um comunista. Confira:



É fácil tirar as máscaras de Dino e Jerry. Basta prestar atenção em seus atos, ações e intenções.

1-E buscam ter imagem auto-idolatrada:

Usam como “bandeira” uma causa justa e até a executa para construírem para si uma falsa imagem de autoridade acima de qualquer suspeita e usa isso como escudo contra críticas. Impõem uma falsa lógica onde, se uma de suas idéias estiver certa, todas as outras serão provadas. 

Taxam de “mau, egoísta e inimigo de um mundo melhor” quem criticar os métodos questionáveis que eles venham a usar.

Alguns exemplos do que eles costumam fazer, apoiados nessa lógica torta e falsa autoridade incluem impor opiniões pessoais como se fossem verdades absolutas, reescrever conceitos, usar dois pesos e duas medidas, e achar que tem que ser blindados e incriticáveis. Também não se contentam com parte, ou mesmo a maioria. Exigem TUDO.

2-Demonizam críticos e questionadores:

Talvez pelo excesso de subterfúgios que usam, eles não suportam ver qualquer erro ou falha sua ser exposta, mesmo sendo verdade e havendo provas. Críticas os fazem espumar de ódio, ainda que embasadas. Parecem pensar que não basta reconhecer suas qualidades, é preciso concordar com TUDO, sem questionar. E encontrar qualquer ponto negativo em seu discurso ou ideologia é tratado como uma heresia mortal.

Às vezes, eles parecem querer usar a teoria do mal necessário, mas ao mesmo tempo não querem que esse mal os atinja, nem admitem que ele seja associado à sua “imagem”.

Mas existe outro motivo para isso. Com essa tática, eles criam um “rótulo” para impor aos “inimigos”. Um ataque pessoal disfarçado, que explora uma variação da falsa lógica descrita no item 1.

Aqui, eles tentam passar o falso conceito de que, se provarem UM erro, falha ou ponto negativo em seus inimigos/críticos/questionadores, então TUDO que eles disserem vai ser automaticamente errado, falho, negativo, nazista, fascista, elitista, e outros da lista de ofensas prontas que eles tem. E isso, mesmo que as outras coisas ditas não tenham nenhuma ligação ou relação com o erro provado.

Dessa forma, eles têm um meio bastante eficiente de desacreditar seus oponentes, pois criam nas pessoas uma rejeição pessoal a seus críticos, fazendo com que muitos desconsiderem seus argumentos sem realmente analisá-los. 

3-Só sabem contar até dois:

Os itens 1 e 2, separados, já podem ser bem perigosos. Mas a combinação deles é ainda pior. Aqui, eles impõem o falso conceito de que o mundo se divide em apenas dois “lados”, e o que não está de um, pertence automaticamente ao outro, sem meio termo.

Exigirem respeito sem respeitar, e querer fiscalizar sem ser fiscalizados. Falam em ser aceitos, mas no fundo não querem ser aceitos. Querem ter o poder de definir suas idéias/atitudes/grupos como os únicos certos e taxar todos os outros de “intolerantes” e “intoleráveis”, para logo em seguida despejar todo seu ódio contra eles, através de atitudes que, vindo de seus inimigos, seriam “violentas”, “fascistas”, etc… Mas vindo deles passam a ser “caminho para um mundo melhor”, “correção de injustiças, desigualdades e desequilíbrios”, entre outros.

4-Usam um interesse legítimo para empurrar seus interesses pessoais junto:

Usam falsa definição de respeito que eles impõem, onde só “respeita” quem concorda automaticamente com tudo que dizem, sem questionar. Claro que eles não dizem isso com todas as letras, mas na prática, exigem que seja assim.

Um dos sinais mais visíveis dessa estratégia é quando eles tentam impor sentimento de culpa a alguém, simplesmente porque essa pessoa questiona, e quer analisar melhor, ao invés de ir engolindo sem pensar sua “maravilhosa” ideologia.

5-Usam clichês e outras táticas:

Eles tem um verdadeiro arsenal de frases prontas, estatísticas, obras literárias e pesquisas, para parecer “científicos”. Mas, quando olhamos melhor, vemos que as frases prontas não resistem a uma análise e/ou escondem entrelinhas e idéias implícitas, as estatísticas e livros são feitas por seguidores da ideologia.

Suas pesquisas e estimativas são feitas com o “sistema” de só procurar dados e argumentos a favor, de qualquer lado e lugar, e juntar todas, mas ignorando o que não convém.

Praticam desonestidade intelectual como ninguém, ou seja, apenas floreiam para disparar a frase pronta de que só são inteligentes os que concordam com eles em tudo, sem questionar.

6-O “modus operandi” deles:

Convencem pela pressão ideológica. Em seguida, tentam parecer engajados e politizados, disparando toneladas de conceitos incompletos e mal explicados, mas que levam tempo para ser rebatidos de forma adequada.

No fim, quando alguém consegue desmascará-los, eles já fizeram a cabeça de várias pessoas, e já estão bem estabelecidos, com seguidores, imagem, lobby, e conseguem vencer ou ao menos se instalar, sem precisar ter razão.

Boa parte da estratégia deles se baseia em usar pressão psicológica e pegar as pessoas de guarda baixa com seu discurso inflamado e rebuscado. Então, esteja prevenido e não aceite coação moral, e já deve ser capaz de evitar esse atropelamento ideológico.

Um exemplo: Flávio Dino em Açailândia, disse que graças economias que fez no valor de R$ 3.000.000,00 seriam usados para fazer estrada naquele lugar. Mentira! A verdade é que os recursos vieram do BNDES. 

Eles costumam disparar uma metralhadora de clichês, alguns até ofensivos, ou mesmo uma única frase de efeito, esperando soterrar a questão sob uma tonelada de frases prontas, ou confundir os questionadores com uma falsa pose de confiança.

Assim, eles esperam passar uma falsa impressão de que “venceram”, e “deixaram os oponentes sem resposta”. Exploram a dificuldade natural de se elaborar argumentos racionais contra seus artifícios.

Com essas e outras táticas, os comunistas causaram enormes sofrimentos a povos que resolveram se libertar de suas idéias, Confira abaixo.



Fonte: http://homemculto.com/