quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

SALVE-SE QUEM PUDER. DENGUE, ZIKA E CHIKUNGUNYA: O Brasil sob ataque do Aedes Aegypti e o governo mergulhado na corrupção.


Dengue

Doença: Dentre as três, é a mais conhecida e presente no Brasil. O país vive hoje uma epidemia da doença com 367,8 casos para cada 100 mil habitantes registrados até o dia 18 de abril.
Transmissão: O vírus da dengue é transmitido pela picada do mosquito aedes aegypti. 
Sintomas: Febre alta (geralmente dura de 2 a 7 dias), dor de cabeça, dores no corpo e articulações, prostração, fraqueza, dor atrás dos olhos, erupção e coceira na pele. Nos casos graves, o doente também pode ter sangramentos (nariz, gengivas), dor abdominal, vômitos persistentes, sonolência, irritabilidade, hipotensão e tontura. Em casos extremos, a dengue pode matar - até 18 de abril foram registrados 229 óbitos.
Tratamento: A pessoa com sintomas da dengue deve procurar atendimento médico. As recomendações são ficar de repouso e ingerir bastante líquido. Não existem remédios contra a dengue. Caso apareçam os sintomas da versão mais grave da doença, é importante procurar um médico novamente.

Chikungunya

Doença: Até 18 de abril deste ano, foram registrados 1.688 casos de chikungunya. Os primeiros casos “nativos” da doença no Brasil apareceram em setembro do ano passado em Oiapoque, no Amapá. Antes disso, já haviam sido detectados casos de pessoas que contraíram a virose fora do país. A origem do nome chikungunya é africana e significa “aqueles que se dobram”. É uma referência à postura dos doentes, que andam curvados por sentirem dores fortes nas articulações.
Transmissão: É transmitida pelos mosquitos aedes aegypti (presente em áreas urbanas) e aedes albopictus (presente em áreas rurais).
Sintomas: O principal sintoma é a dor nas articulações de pés e mãos, que é mais intensa do que nos quadros de dengue. Além disso, também são sintomas febre repentina acima de 39 graus, dor de cabeça, dor nos músculos e manchas vermelhas na pele. Cerca de 30% dos casos não chegam a desenvolver sintomas. Segundo o Ministério da Saúde, as mortes são raras.
Tratamento: Como no caso da dengue, não há tratamento específico. É preciso ficar de repouso e consumir bastante líquido. Não é recomendado usar o ácido acetil salicílico (AAS) devido ao risco de hemorragia.

Zika Virus

Causador de uma doença conhecida como febre Kiza, o Zika vírus é uma espécie de vírus pertencente à família Flaviviridae e ao gêneroFlavivirus. O Zika vírus é da mesma família dos vírus que provocam a dengue e a febre amarela, tendo sido identificado pela primeira vez no Brasil recentemente, no estado da Bahia, provavelmente trazido por turistas que frequentaram a Copa do Mundo no país, em 2014.
O Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue e da febre chikungunya, é também um dos principais meios de transmissão do Zika vírus. Descoberto em 1947 por cientistas quando de uma pesquisa com macacos rhesus das florestas da Uganda, na África, o contágio em humanos ocorreu somente em 1968 na Nigéria. Foi, no entanto, em 2007, que os primeiros casos de febre Zika foram identificados fora da África e da Ásia, sendo que, no Brasil, o vírus chegou provavelmente da América Central.
Até agora a febre Zika tem se demonstrado relativamente suave e de tratamento efetivo, entretanto, não se sabe ainda o verdadeiro potencial do vírus, já que é praticamente uma doença desconhecida por aqui. Diante dos sintomas da condição, recomenda-se procurar imediatamente por ajuda médica, tanto para o tratamento como para a prevenção de transmissão.
Como se dá a transmissão?
A febre zika, provocada pelo Zika vírus, é provocada quando da picada de um mosquito infetado com o vírus. A transmissão é, portanto, vetorial, através da picada de mosquitos pertencentes ao gênero Aedes. O mosquito transmissor da dengue pode transmitir também a febre zika, por isso, mais do que nunca, é preciso um combate efetivo à multiplicação destes mosquitos.
zika virus nos olhos vermelhos
Recentemente comprovou-se que o Zika vírus pode também ser transmitido sexualmente entre seres humanos. O tempo entre a picada e os primeiros sintomas dura, em média, 10 dias, sendo de extrema importância procurar por ajuda diante dos primeiros sintomas.

Sintomas da febre Zika
A febre Zika é uma doença infecciosa causada pelo Zika vírus presente em mosquitos do gênero Aedes. O tempo entre a picada e o surgimento dos sintomas tende a demorar 10 dias, sendo que, os sinais são bastante parecidos com os da dengue, no entanto, mais brandos.
Os sintomas da febre Zika duram, em média, de 4 a 7 dias e envolvem dores de cabeça, pintinhas vermelhas na face e no tronco, conjuntivite e artralgia, ou seja, dores nas articulações. Geralmente, os primeiros sintomas são de uma leve dor de cabeça acompanhada de febre, machas vermelhas e dor nas costas. Passados 2 ou 3 dias, a febre desaparece, assim como as erupções cutâneas. Não existe ainda vacina ou qualquer droga preventiva com relação à febre Zika, no entanto, até agora ela tem se demonstrado bastante amena.
Diagnóstico
Os sintomas da febre Zika são bastante similares aos sintomas da dengue. Diante dos primeiros sinais é altamente indicado procurar por um médico, de forma a avaliar o que vem causando os sintomas e de dar início a um tratamento. Além disto, é preciso que medidas preventivas sejam tomadas, com o intuito de evitar novas transmissões.
O diagnóstico da condição é basicamente clínico e por meio de sorologia, através da identificação de anticorpos. É preciso fazer um diagnóstico diferencial da dengue devido às similaridades dos sintomas, de forma a tomar as providências mais cabíveis para cada caso.
Tratamento
Atualmente, o tratamento da febre Zika tem se baseado somente na amenização dos sintomas, sendo que os incômodos deixam de existir espontaneamente na grande maioria das vezes em até, no máximo, 1 semana do contato com o vírus.
Para que as dores sejam amenizadas, assim como a febre e as erupções cutâneas, medicamentos anti-inflamatórios e analgésicos costumam ser receitados. Importante destacar que, diante dos primeiros sintomas, é imprescindível buscar por ajuda médica e não realizar automedicação, pois o uso incorreto de certos fármacos pode piorar a condição e até mesmo colocar a vida em risco.
Prevenção
O Zika vírus é transmitido para seres humanos através da picada do mosquito contaminado. O mosquito da dengue é o transmissor da condição e, evitar a sua proliferação, é o meio mais eficaz de prevenir novos casos da doença.
A prevenção pode ser feita evitando deixar água parada em locais que possam ser propícios para a multiplicação dos mosquitos como latas, copos plásticos, pneus, vasos de plantas, garrafas ou caixa d’água, por exemplo. Portanto, é de extrema importância não deixa a água da chuva acumular nestes locais. Além disto, lixos devem ficar bem tampados e o uso de repelente faz-se ótima medida preventiva. Instalar redes de proteção nas portas e janelas da residência também pode ajudar a prevenir a presença do mosquito transmissor. Diante dos primeiros sintomas não deixe de procurar ajuda médica e fique atento ao seu entorno, de forma a evitar a multiplicação do mosquito causador da dengue e da febre Zika.
Comentários
0 Comentários