Compatilhar

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

BC corta juros e Selic: Só 0,25%. a taxa caiu de 14,25% para 14% ao ano.

Do Estadão

Juro não era alterado desde julho de 2015

O Banco Central anunciou nesta quarta-feira, 19, a primeira redução da Selic (os juros básicos da economia) desde outubro de 2012. Em decisão unânime entre os diretores, a taxa caiu de 14,25% para 14% ao ano. Foi a primeira redução de juros do BC comandado pelo presidente Ilan Goldfajn, e a instituição sinalizou que, para os cortes serem maiores, como queria uma parcela dos economistas do mercado, será preciso avançar no ajuste fiscal e no controle da inflação de serviços.

Apesar do corte da Selic, o Brasil segue como maior pagador de juros reais (descontada a inflação) do mundo.

A decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do BC ficou dentro do esperado pela maioria dos economistas do mercado financeiro. De um total de 70 instituições consultadas pelo Projeções Broadcast, 36 esperavam corte de 0,25 ponto porcentual da Selic - o que se confirmou -, mas 32 aguardavam por uma diminuição de 0,50 ponto porcentual. Apenas uma instituição projetava corte de 0,75 ponto porcentual, enquanto outra esperava manutenção da taxa básica.

No governo, o anúncio do BC foi bem-recebido. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou logo após a decisão que o resultado foi positivo e o Brasil caminha para ter uma inflação na meta de 4,5% em 2017. “Não há dúvida de que a decisão ocorreu depois de uma análise criteriosa e séria, que abriu possibilidade de começar processo de flexibilização da política monetária (corte de juros)”, disse.

Mas, para o ex-presidente do BC e sócio da Tendências Consultoria, Gustavo Loyola, a instituição jogou um “balde de água fria” sobre o otimismo excessivo do mercado, “que tinha ajustado suas projeções para uma velocidade maior do corte”.

Inflação. A decisão do BC foi resultado de uma percepção mais favorável sobre o controle da inflação. No comunicado divulgado após a decisão, a instituição afirmou que, em seu cenário de referência, que considera a Selic e o dólar estáveis, a projeção para a inflação em 2017 já está em 4,3% - portanto, abaixo da meta inflacionária de 4,5% perseguida pelo próprio BC e da projeção de 4,4% divulgada no fim de setembro. Para 2018, a expectativa é de uma inflação de 3,9%.

Além de reduzirem a Selic para 14,25% nesta quarta-feira, os diretores do BC sinalizaram que este foi apenas o início de um processo que pode até ser acelerado. “A magnitude da flexibilização monetária (corte de juros) e uma possível intensificação do seu ritmo dependerão de evolução favorável de fatores”, citou o BC no comunicado. Na prática, o nível de confiança na convergência da inflação para a meta de 4,5% em 2017 e 2018 é que determinará se Ilan Goldfajn e os demais diretores poderão acelerar o ritmo de redução da Selic.

Para promover cortes maiores da taxa básica - talvez de 0,50 ponto porcentual - o BC quer ver uma diminuição mais rápida da inflação no setor de serviços. Além disso, a instituição espera que os ajustes fiscais sigam avançando. “Os primeiros passos no processo de ajustes necessários na economia foram positivos, o que pode sinalizar aprovação e implementação mais céleres que o antecipado”, destacou o BC.

Ao mesmo tempo, os preços dos alimentos, que eram citados como um empecilho para o BC reduzir juros em reuniões anteriores, deixaram de ser um problema, pelo menos por ora. De acordo com a instituição, “a inflação mais recente mostrou-se mais favorável que o esperado, em parte em decorrência da reversão da alta de preços de alimentos”.

/COLABORARAM EDUARDO RODRIGUES, IDIANA TOMAZELLI E FRANCISCO CARLOS DE ASSIS