O Blog Fiel aos Fatos: O discurso de Flávio Dino e a utopia do “Maranhão de todos nós” como projeto comunista – Taí a Venezuela

domingo, 10 de junho de 2018

O discurso de Flávio Dino e a utopia do “Maranhão de todos nós” como projeto comunista – Taí a Venezuela

Compartilhe esta postagem!



Os ditadores da Venezuela utilizaram o mesmo discurso.

Rafael Pinheiro de Araujo, doutor em História pelo PPGHC/UFRJ. Professor substituto do curso de História da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) nas áreas de História da América e Contemporânea (Campus Nova Iguaçu). Professor dos cursos de História e Relações Internacionais do Centro Universitário La Salle (UNILASALLE/RJ), no trabalho de pesquisa sob o título “Discurso político e o socialismo do século XXI na América do Sul” – disponível em https://periodicos.unifap.br/index.php/pracs/article/view/1441/araujov8n1.pdf,  afirma:

“...Não há uma fórmula que leve ao novo socialismo, porque ele é elaborado e reinventado continuamente. Entre as várias imagens criadas por Morales1, Corrêa e Chávez, achamos interessante a fala do último sobre a construção do novo socialismo. A seguir, reproduziremos a declaração dele, a qual talvez sintetize nossas dificuldades na definição desse novo socialismo”.
De acordo com Chávez (2011):

Para construir o socialismo, temos de recordar Fidel. Em uma resposta que ele deu a Ignacio Ramonet: ‘Qual foi um dos maiores erros que você cometeu? E Fidel disse: ter imaginado que alguém sabia como se construía o socialismo’. Nesse ponto, Fidel tem muita proximidade com Mariátegui, quando afirma: ‘o nosso socialismo não deve ser cópia, nem criação heroica’. Muito robinsoniano, como dizia Simón Rodríguez: ‘não podemos copiar modelos. Ou inventamos ou erramos! Trata-se de uma invenção. Diria uma obra de arte (...) (CHÁVEZ, 2011, p. 372). (Tradução nossa.).

(...) O socialismo está fixado na consciência coletiva. Os conceitos de igualdade, justiça social, inclusão absoluta, respeito à diversidade cultural, predileção pelo diálogo, valorização da democracia participativa, poder popular, amor à pátria, entre outros, foram manejados de forma retórica e formal em nossa história. Hoje, o associamos às vidas pública e política. Isso é uma grande conquista coletiva (...). (CHÁVEZ, 2008, p. 53). (Tradução nossa.).

“Assumo minha responsabilidade. A única maneira de solucionarmos, definitivamente, o problema da pobreza e da exclusão é avançando pela via do socialismo e da igualdade de todos. Como um dia disse Bolívar: “Algum dia na Venezuela não teremos mais do que uma classe. Seremos cidadãos e teremos os mesmos direitos e deveres...”. Em nosso país, não poderá haver cidadãos de primeira, segunda e terceira. Somos todos filhos de Deus, da mesma pátria e do mesmo povo. Os obscenos privilégios dos que se creem superiores devem terminar. Igualdade, igualdade. Isso vem lá de trás, do Cristo, nosso Senhor. “Amai-vos uns aos outros”, dizia ele (...). Cristo foi um dos maiores socialistas. O primeiro da nossa era. Judas é o maior capitalista, um exemplo do que é o capitalismo, o Judas. (CHÁVEZ, 2011, p. 60). (Tradução nossa.)

Digo eu – Esses discursos são semelhantes aos usados por Flávio Dino para incautos maranhenses que não têm a mínima ideia.

Taí o socialismo do PC do B na Venezuela.....Só depois os alienados foram enxergar na merda que fizeram ... Só que era tarde demais e agora padecem miséria em terras brasileiras.

Deixe seu Comentário Aqui!